Review – Windward (PC)

windward_logo

Jogo #3 da limpeza de backlog

Windward é um dos muitos jogos do meu backlog que não comprei propriamente. Ele deve ter vindo em um HumbleBundle ou em um daqueles pacotes de publicadora no Steam, nunca saberei.

Uma tarde de domingo resolvi olhar minha lista interminável de jogos pendentes. De trás para frente, ele é o primeiro. Abri a página de detalhes: “Um sandbox multiplayer cheio de ação que te coloca no comando de um navio a velejar pelos mares de um mundo gerado de forma procedimental.”. É como se a Tasharen Entertainment, empresa canadense que desenvolveu e publicou o jogo, quisesse me fazer dormir. “OK”, pensei, “vamos jogar uma ou duas horas desse troço, fazer um review e tirá-lo da minha vida pra sempre”.

Ô rapaz… joguei 4 horas na primeira sentada. Agora já são 12 e ainda vou gastar mais algumas. Não me entenda mal, é um joguinho safado, sem muita coisa pra fazer. Você começa com um barco simples, pegando algodão (e outras mercadorias) de um porto para outro, dentro de uma área que sua facção/nação/reino domina, e fica com o lucro da transação.

De repente aparece um pirata na região. Você não tem muito como enfrentá-lo, mas está cheio de amigos, está em casa. Rapidamente vocês se livram dos piratas, com uma ajuda ínfima sua. Mas o combate é bom, bem executado, na velocidade certa. Você pega um pouco do lucro do algodão e compra um canhão melhor. Aproveita uns materiais de caíram do navio inimigo pra fazer um upgrade na sua vela.

windward_01

Em algum tempo, você já começa a liderar o ataque aos invasores, começa a ganhar estrelas, capitães e tripulação melhores. Olha só, já há dinheiro disponível para comprar um navio melhor, com mais capacidade de carga e melhores canhões. Uma cidade está disposta a pagar um dinheiro substancial por uma seda que está em um porto X. O porto fica numa área que, embora não seja hostil, não é controlada por seus amigos. Você vai lá. Você volta ileso e mais corajoso.

windward_02

Navio maior? Quero! Mais carga, carga mais cara, mais canhões. Árvore de skills para combate? Fuck yeah! Uma facção aliada está sendo atacada? Vamos lá! E que tal expandir seus domínios, pra trafegar suave entre os portos mais lucrativos? Bora!

Capitalismo antes de virar modinha. “Mercantilism – the Game”, diria seu professor de história. É um jogo safado. 12 horas até agora. E nem quero saber dessa versão pra celular. Muito menos testar o modo online.

Windward

Lançamento: Maio de 2015
Gênero: Sandbox/Ação
Plataformas: Windows, macOS, Linux, Android

 

Review – Shantae and the Pirate’s Curse (Nintendo 3DS)

shantae_logo

 

Jogo #2 da limpeza de backlog

Shantae and the Pirate’s Curse é o terceito jogo da principal franquia da WayForward. Um metroidvania 2D com profundidade surpreendente, jogabilidade excelente, level design interessante e chefes medianos.

Nesta instância da série, Shantae (uma espécie de gênia da lâmpada/dançarina) segue usando golpes de cabelo (?) e alguns equipamentos para lidar com seus inimigos e ambiente. A história acontece diretamente após o jogo anterior – Risky’s Revenge, excelente jogo, por sinal – e Shantae agora precise se juntar a Risky para recuperar os artefatos de um pirata lendário para libertar os piratas zumbis de uma maldição, e tem algo a ver com um cara grandão não destruir uma cidade com um canhão, e recuperar um ovo gigante…

Bom, a história não é muito boa, mas o humor é sensacional. Apesar da heroína e demais personagens femininas serem sexualizadas (que sim, incomoda), os diálogos passam longe de qualquer tipo de constrangimento. É ácido, é meta, derruba a quarta parede e volta. Apesar de ser um jogo muito polido, muito competente, provavelmente seu humor é o destaque.

shantae_1

Como joguei a versão de 3DS, pude experimentar a estereoscopia. A vontade que tenho é de jogar todos os jogos bidimensionais com este recurso: o efeito de diorama é muito bom, mesmo nos níveis mais baixos de 3D. Em geral, a arte do jogo é muito bonitinha, a animação é muito bem-feita e colorida e os personagens são muito carismáticos.

Para terminar a campanha principal, levei cerca de 12 horas. Ao terminar o jogo, um newgame+ chamado “Pirate Mode” é habilitado, permitindo que você comece o jogo com todas as habilidades que os artefatos lendários te dão durante a campanha principal. Não joguei até o fim, mas este modo me pareceu especialmente criado para o pessoal interessado em fazer speedruns.

shantae_2

Fica aqui a recomendação para Shantae and the Pirate’s Curse. Depois de seu lançamento original para 3DS, o jogo ganhou port para quase todas as plataformas, e não é raro vê-lo em promoção. Fica também o alerta para quem gosta de julgar certos aspectos do jogo por seu estilo visual: é um metroidvania um pouco mais difícil que a média, e seriamente mais difícil que os plataformas coloridões que vemos por aí.

Shantae and the Pirate’s Curse

Lançamento: Outubro de 2014
Gênero: Plataforma/Metroidvania
Plataformas: Nintendo 3DS, Wii U, Microsoft Windows, Amazon Fire TV, Xbox One, PlayStation 4

 

Review – Gunman Clive (Nintendo 3DS)

GunmanCliveBanner

Jogo #1 da limpeza de backlog

A primeira coisa que chama atenção de qualquer pessoa em Gunman Clive é seu estilo visual. Não sei bem precisar, mas me parece uma mistura de gráficos de Game & Watch (primariamente contornos) e coloração de papel envelhecido que, tomando um pouco de liberdade, chamaria de “cor de faroeste”.

Clive é um cowboy que sai em busca da filha do prefeito, que foi raptada por uma espécie de robô-cowboy-bandido, numa trama qualquer que se desenrola nos anos de 1800-e-alguma-coisa desta linha temporal steampunk. A progressão é dividida em fases bem curtas, com o desafio opcional de passar por cada seção sem sofrer danos. O progresso é salvo a cada momento, fazendo com que uns poucos minutos disponíveis para jogar já compensem abri-lo.

GunmanClive01

Dirigido e programado por Bertil Hörberg, Gunman Clive é um jogo de ação em plataformas muito bem ajustado, com jogabilidade refinada e simples. A duração é bastante curta, terminei em menos de 2 horas a primeira campanha, mas que ao final, desbloqueia duas novas personagens com jogabilidade diferenciada, que devem dobrar o tempo de jogo.

Apesar de curto, é um jogo muito bem-feito, bonito e agradável. É também muito barato, custa menos de 2 dólares no 3DS (onde joguei) e é possível comprar por pouco mais de 4 reais no Steam. Fica aqui a recomendação, especialmente se você vai encarar uma viagem curta, uma espera um pouco mais longa ou quer algo pra jogar em intervalos pequenos.

Gunman Clive

Lançamento: Abril de 2012
Gênero: Ação/plataforma
Plataformas: Nintendo 3DS, Android, Wii U, iOS, Microsoft Windows.

 

Vamos enxugar aquele backlog de jogos?

Atualização: Lista de jogos revisados no final do post

Backlog, do grego “jogos que comprei e não joguei”, é um problema na minha vida. É um problema de primeiro mundo, é um não-problema, mas me incomoda. Esse ano resolvi que meu backlog vai ser reduzido de verdade. Para isso, estabeleci a meta de terminar/aproveitar/enfadar um jogo por semana e, em mais uma tentativa de ressuscitar este blog, vou escrever uma resenha de cada um deles por aqui.

As resenhas vão ser curtas, inclusive porque não tenho mais o hábito de escrever e vai ser quase tão trabalhoso quanto jogar. Espero também que elas melhorem substancialmente de qualidade ao longo do ano. Veremos.

Alguns número para vocês terem a noção do “problema”, que é visivelmente maior no PC por conta dos famosos (e atualmente boicotados por mim) Humble Bundle e Steam Sales, mas que também tem aumentado no Switch por causa do SaveCoins:

Plataforma Jogos
3DS 29
DS 5
Gamecube 6
PS3 7
PC 164
Switch 4
Wii 19
Wii U 15
Total 250 (!!)

Se eu conseguir manter a média de um jogo (com review) por semana e não comprar nenhum jogo este ano (hahaha), ao final de 2018, ainda terei cerca de 200 jogos no backlog. Nada animador, mas me acompanhe em mais um projeto que não tem chance de dar certo :)

Jogos revisados até o momento:

      1. Gunman Clive (3DS)
      2. Shantae and the Pirate’s Curse (3DS)
      3. Windward (PC)
      4. Out There Somewhere (PC)
      5. QuantZ (PC)
      6. Subsurface Circular (Switch)
      7. Rocket Fist (Switch/PC)